Avaliações e benefícios de funcionários da Universidade Federal do Rio de Janeiro | Glassdoor.com.br

Benefícios de Universidade Federal do Rio de Janeiro

Localização: Brasil
3,5
StarStarStarStarStar
29 classificações

Avaliações de benefícios de funcionários

Mostrando de 1 a 10 de 30 comentários

Mais comentado

  • 03 de jul de 2019
    StarStarStarStarStar Ex-Funcionário em Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

    Lugar bom de estagiar, de forma geral. Depende muito do setor.

  • 04 de set de 2019
    StarStarStarStarStar Atualmente Funcionário em Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

    Não tem muito o suporte, paga o transporte, a comida e é isso aí.

  • 06 de ago de 2019
    StarStarStarStarStar Atualmente Estudante em Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

    Benefício é o melhor ensino público gratuito e de qualidade que o país pode oferecer em qualquer área, principalmente Engenharia

  • 19 de jul de 2019
    StarStarStarStarStar Ex-Funcionário em Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

    Não oferece nada além da bolsa, mas oferece bastante flexibilidade.

  • 10 de jun de 2019
    StarStarStarStarStar Atualmente Assistente em Administração em Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

    Possui vale refeição com desconto de 458 reais, auxílio creche para cada dependente, folgas e férias remuneradas, plano de saúde, incentivo à capacitação. Esse último consiste em um bônus mensal pago ao trabalhador de acordo com sua graduação, sendo possível consultar na tabela fornecida pela própria empresa de acordo com cada categoria.

  • 29 de mar de 2019
    StarStarStarStarStar Atualmente Estágio em Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

    Tem apoio para estudo, entretanto, aulas muito teóricas pouco voltadas para o mercado de trabalho realmente. Professores bem qualificados, bons materiais.

  • 22 de jul de 2018
    StarStarStarStarStar Ex-Estagiário em Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

    Depende do professor que aloca os alunos e da demanda do cliente. De maneira geral, é possível concentrar a maior carga de trabalho em home office.

  • 11 de jul de 2018
    StarStarStarStarStar Atualmente Iniciação Científica em Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

    Não há benefícios financeiros apenas intelectuais em atuar em uma das mais renomadas instituições de pesquisa do país. Além disso, é possível realizar projetos remunerados dependendo do laboratório.

  • 06 de jul de 2018
    StarStarStarStarStar Atualmente Assistente em Administração em Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

    Adicional de Insalubridade, Auxílios de Saúde, Transporte, Pré-escolar e outros. O cálculo de cada um destes auxílios ou adicionais é feito de uma maneira. O auxílio alimentação é o mais simples, pois todos servidores recebem R$ 458,00. Nenhum desconto incide sobre este valor. O auxílio ressarcimento (Saúde complementar) é um benefício indenizatório aos sevidores que possuem plano de saúde particular. O valor deste auxílio é baseado na Portaria nº 625, de 21 de dezembro de 2012, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, e nenhum descondo incide sobre ele. O valor depende da remuneração bruto do servidor e de sua idade, como mostra a tabela abaixo: O adicional de insalubridade é pago aos servidores que trabalham em ambientes insalubres ou manipulam produtos periogosos. Este adicional pode ser de 5%, 10% ou 20%, de acordo com o grau de insalubridade (mínimo, médio e máximo), segundo a Lei 8.270/1991. As especificações de cada grau ficam escondidas em um documento que não lembro mais qual é pra poder colocar aqui. :) O imposto de renda retido na fonte incide sobre a insalubridade, mas a contribuição ao PSS não. O auxílio pré-escolar (creche) é pago aos servidores com filhos com idade de até seis anos. O cálculo é realizado baseado no valor-teto, sendo R$ 321,00 desde o início de 2016. De acordo com a faixa de remuneração do servidor, uma porcentagem deste teto é subtraída (veja a tabela). O IRRF também não incide neste auxílio, ou seja, o valor obtido após o cálculo é recebido integralmente, assim como o os auxílios alimentação e transporte. O auxílio transporte é pago a todos que declararem que utilizam transporte público para ir ao local de trabalho. Seu cálculo é um pouco complicado. Primeiro, deve-se informar o gasto diário com o transporte, sendo que eles valor deve ser múltiplo de 20 centavos. Este valor é multiplicado por 22 (número de dias úteis em um mês "padrão"). Deste valor, subtraise uma alíquota que depende do vencimento básico. Esta alíquota é calculada como 6% do salário referente a 22 dias de trabalho. A fórmula matemática pode ser escrita assim: Em função deste cálculo, a partir de um certo vencimento básico, o servidor passa a não receber mais o auxílio, de acordo com o gasto diário. O adicional noturno é pago aos servidores que cumprem carga horária no período entre as 22 horas e as 5 horas do dia seguinte, no valor de 25% sobre a hora paga ao servidor. O cálculo do valor-hora do servidor considera um mês de 30 dias e a carga diária, ou seja, 240h/mês para 8h diárias. Além disso, a hora noturna é contada como 52,5 minutos, o que significa que o total de minutos trabalhados no período noturno deve ser dividido por 52,5 (e não 60, como parece óbvio) para se obter a quantidade de horas extras. Estes são os auxílios e adicionais atualmente implementados na calculadora. Existem muitos outros, demais para mostrar cada um aqui.

  • 23 de jul de 2018
    StarStarStarStarStar Atualmente Professor Associado I em Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

    Os valores pagos não cobrem os custos dos serviços adquiridos no mercado. Os valores ficam defasados com o tempo e não são corrigidos. As condições de trabalho não são boas.